A História de Uma Serva – Margaret Atwood

“Tento não pensar demais. À semelhança de outras coisas, agora o pensamento tem de ser racionado. Há muitas coisas em que é insustentável pensar. Pensar pode diminuir as hipóteses de uma pessoa, e a minha intenção é durar. Sei porque é que não há vidro na aguarela de lírios azuis e por que razão a janela só abre até certo ponto e porque é inquebrável o seu vidro. Não é a fuga que eles temem. Não iriamos muito longe. São aquelas outras fugas, essas que podemos abrir em nós mesmas, com uma ponta afiada.”

“Cai a noite. Ou já caiu. Porque é que a noite cai, em vez de raiar, como a aurora? E no entanto, se se olhar para oriente, ao pôr do sol, vê-se a noite a raiar e não a cair; as trevas a erguerem-se no céu, a partir do horizonte, como um sol negro por trás da cobertura das nuvens. Como o fumo de um fogo invisível, uma linha de fogo logo abaixo do horizonte, um incêndio florestal ou uma cidade a arder. Talvez a noite caia por ser pesada, uma cortina grossa fechada à frente dos olhos. Um cobertor de lã. Quem me dera poder ver no escuro, mais do que consigo.”

Nesta distopia publicada em 2013, ficamos a conhecer a história de Defred, num mundo que já não é o nosso mundo. A poluição extrema tornou grande parte da população estéril, extremistas de direita fizeram cair o governo americano e a América é agora Gileade, um estado fundamentalista que justifica violações com palavras da Bíblia. Defred é uma Serva, uma mulher fértil que foi tomada como escrava sexual para poder conceber filhos para a elite estéril. Agora o marido, a filha e até o nome que ela em tempos teve, já só existem na sua memória.

Nesta nova sociedade onde as crianças são raras e onde as mulheres estão proibidas de ler até uma simples tabuleta, vemos uma realidade muito diferente da nossa e, mesmo assim, muito possível.

Eu fiquei a conhecer este livro graças à série que foi baseada nele, The Handmaid’s Tale, que vi e adorei, por isso é impossível não traçar um paralelismo entre ambas.

Para mim, o livro é melhor que a série, claro. Ganha sobretudo nas personagens, já que na série somos um mero observador enquanto que no livro vemos tudo a partir dos olhos de Defred. De início isso é um choque tremendo. Ficamos na dúvida sobre quem é realmente esta Serva, sobre se ela é ou não a prisioneira que esperávamos. Depois acabamos por nos habituar e passamos até a gostar mais da Defred literária, que a mim me pareceu uma mulher bem mais real que a Defred da série.

Entretanto, a história em si é de causar arrepios. É sem dúvida a melhor distopia que já li, pelo simples facto de que é a mais possível de acontecer. É uma sociedade tão estranha e ainda assim tão real que nos causa um aperto no estômago, de dor e medo. E se chegarmos a este ponto, um dia? E se chegarmos a um ponto minimamente parecido com isto? Demasiado real para ser verdade.

A poluição, a esterilidade, o regime, a resistência, o amor e a leitura que são então proibidos, a pena de morte, tudo tão real e doloroso. E o final da história, em aberto, que deixa no leitor a vontade de ler a continuação que não existe. É um livro que nos deixa a pensar, arrepiados de medo, sobre o mundo em que vivemos.

A escrita é fácil de ler e muito, muito boa, com um toque de poesia e muita atenção aos detalhes. Vou sem dúvida ler mais livros desta autora.

Livro muito recomendado!

Livro na Wook

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s