O Banqueiro Anarquista – Fernando Pessoa

Wook.pt - O Banqueiro Anarquista

“O que quer o anarquista? A liberdade – a liberdade para si e para os outros, para a humanidade inteira. Quer estar livre da influência ou da pressão das ficções sociais; quer ser livre tal qual nasceu e apareceu no mundo, que é como em justiça deve ser; e quer essa liberdade para si e para todos os mais. Nem todos podem ser iguais perante a Natureza: uns nascem altos, outros baixos; uns fortes, outros fracos; uns mais inteligentes, outros menos… Mas todos podem ser iguais daí em diante; só as ficções sociais o evitam. Essas ficções sociais é que era preciso destruir.”

“Fui um operário vulgar, em suma: como todos, trabalhava porque tinha que trabalhar, e trabalhava o menos possível. O que eu era, era inteligente. Sempre que podia, lia coisas, discutia coisas, e, como não era tolo, nasceu-me uma grande insatisfação e uma grande revolta contra o meu destino e contra as condições sociais que o faziam assim. Já lhe disse que, em boa verdade, o meu destino podia ter sido pior do que era; mas naquela altura parecia-me a mim que eu era um ente a quem a Sorte tinha feito todas as injustiças juntas”

“Ora, o que é um anarquista? É um revoltado contra a injustiça de nascermos desiguais socialmente – no fundo é só isto.”

 

Fernando António de Nogueira Pessoa nasceu  em Lisboa, a 13 de Junho de 1888.

Foi poeta, filósofo, dramaturgo, ensaísta, tradutor, publicitário, astrólogo, inventor, empresário, correspondente comercial e crítico literário. É conhecido principalmente pela sua incrível poesia e pelos seus inúmeros pseudónimos e heterónimos.

O Banqueiro Anarquista foi publicado pela primeiro vez em Maio de 1922 e foi o único conto que Fernando conseguiu publicar em vida. O título, só por si, já é um paradoxo: afinal, como pode um banqueiro ser anarquista? Mas também isso Fernando explica na sua obra. E não se esqueçam, ele era bom em contradições!

Ao escrever esta obra Fernando queria perturbar a sociedade e as pessoas. Queria pô-las a pensar, criar revolta, agitação. mudar consciências. A obra que nos chega é um diálogo entre dois amigos, um deles um banqueiro anarquista, que vem explicar a sua ideologia e como chegou a ela.

É um livro para se ler com atenção, complexo, ou não fosse ele escrito por Fernando Pessoa. No entanto é um livro pequeno, que se lê bem e que é instrutivo sim. Sinto que aprendi alguma coisa com este livro.Tudo o que o banqueiro diz é devidamente fundamentado e toda a obra tem uma boa dose de filosofia.

Passei bem longe de sequer pensar em me tornar anarquista, mas foi interessante.

Recomendado!

Livro na Wook

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s