Folhas Caídas e Flores sem Fruto – Almeida Garret

Resultado de imagem para folhas caidas"

Há por aí umas más línguas que dizem que já ninguém lê poesia. Pois enganam-se. Alguns leitores mais estranhos, como eu, ainda pegam neste género literário tão dado ao esquecimento. Eu leio poesia como quem come chocolates, são uns atrás dos outros, sem olhar a gostos ou ingredientes.

Este livro foi-me apresentado por uma muito sábia professora de literatura portuguesa, tão devoradora de poesia e livros como eu. A determinada altura cheguei ao ponto de saber vários dos poemas deste senhor de cor, de tanto que os lia. Tudo bem que é romantismo, não é para todos os gostos. Mas vale sempre a pena experimentar.

 Destino

Quem disse à estrela o caminho
Que ela há-de seguir no céu?
A fabricar o seu ninho
Como é que a ave aprendeu?
Quem diz à planta – “Floresce!” –
E ao mudo verme que tece
Sua mortalha de seda
Os fios quem lhos enreda?

Ensinou alguém à abelha
Que no prado anda a zumbir
Se à flor branca ou à vermelha
O seu mel há-de ir pedir?
Que eras tu meu ser, querida,
Teus olhos a minha vida,
Teu amor todo o meu bem…
Ai! não mo disse ninguém.

Como a abelha corre ao prado,
Como no céu gira a estrela,
Como a todo o ente o seu fado
Por instinto se revela,
Eu no teu seio divino
Vim cumprir o meu destino…
Vim, que em ti só sei viver,
Só por ti posso morrer.

Almeida Garrett

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s