Poemas que Escrevi, no Dia Mundial da Poesia

Quem segue este blog há algum tempo é capaz de já ter percebido que eu adoro poesia. O que muitos não sabem é que tenho um livro de poesia publicado. Embora seja uma coisa já antiga, hoje resolvi trazer alguns dos poemas que escrevi ao longo do tempo (e que fazem parte desse livro) aqui para o blog. Espero que gostem!

13-480x450

Voz

É voz de sal e luz ao luar
Que encanta meu mal, que seduz meu amar
E nós que ouvimos tal cantar
Mais puro que ouro que reluz ao brilhar
Estando sós como ele conseguimos lembrar
A esperança que vem de qualquer sonhar

É sonho o que traz na voz
Como quem tem uma saudade atroz
Do ser com quem aprendeu a pensar
Que o amor também pode ter um final a rimar 

É voz que embala e consola a dor
De quem, como nós, já não crê no amor
E a quem agora só resta ouvir a canção
Que embala e consola o coração 

No futuro também a voz será esperança
E a dor já não passará de uma lembrança

13-480x450
O tempo que nos resta
 

O tempo que nos resta é já pouco
Amor, que não queres crer
Que o tempo que nos resta seja amigo
De quem já não sabe o que fazer 

Se o tempo quisesse guardar
Em si, o tempo do nosso amor
Talvez assim o tempo do nosso amar
Fosse mais do que simples dor 

Mas o tempo não quis ajudar
Quem não teve tempo de crer
Que o amor está sempre a lutar
E a tudo consegue vencer 

E mesmo que num qualquer dia destes
O tempo apague o nosso amor da história
Nem o tempo fará desaparecer
De nós, uma tamanha memória 

13-480x450
Saudade 

Saudade é nome de mulher
Furacão em noite sem lua
Saudade é dor de crescer
Joelhos rasgados no meio da rua 

Saudade é esperança perdida
Naquilo que já passou
Saudade é tristeza esquecida
Pelo que já se amou 

Saudades são erros passados
Antigos pecados
De quem nunca vi 

Saudades são sonhos rasgados
Olhos molhados
Da distância de ti 

Saudades são dores sozinhas
Esperanças vizinhas
De sonhos não meus 

Saudades são pequenas linhas
Das mãos que são minhas
Dos olhos que são teus

 13-480x450 

Passo a passo 

Passa que passa
Passa e dá
Um passo e mais outro
Passo para lá

Finge que anda
Anda e finge
Não fingir que manda
Não fingir que nos atinge

 É passo fingido
Inimigo incerto
Que passa e passa
Cada vez mais perto

E passo a passo
Passa e está
Cada vez mais longe
Do lado de lá

E passa e passa
A passo e passo
Cada passo que traça
Está mais fora do compasso

Passo a passo
Decidido e sonolento
A passo rápido
A passo lento 

Passa a passo
E passo a passo
Passa com passo
De passar a passo 

E a passo e passo
Passa e traz
De longe a saudade
De ser capaz 

E já sem poder
Passar para lá
Passa a passo
O lado de cá

13-480x450

Canção 

Na tua canção
Há o amanhecer de um novo dia
O azul do céu, a harmonia
Que alegra e entristece o coração 

Na tua canção
Há a lembrança da glória
A esperança negra, a vitória
Do sim sobre o não 

Na tua canção
Há a melodia da ave
O rio que corre, suave
E o riso de uma criança 

Na tua canção
Há a voz de um anjo sagrado
Anjo negro tresmalhado
Que perdeu a salvação 

Na tua canção
Há o soprar de um vento de leste
A calma lenta e agreste
Os sons de terras meridionais 

Na tua canção
Há o sabor a terras distantes
E os suspiros de incansáveis amantes
Que já viveram demais

13-480x450

 Portugal

E lá vem o Afonsinho
Muito bem preparadinho
Para vir bater na mãe 

Mais o pobre Manuelinho
Muito bem arranjadinho
Para ver o que o espanhol tem 

Do outro lado vem a corte
Que foi tentar a sorte
Para onde podia sambar 

Atrás vem o gama
Mais o espanhol e o inglês da trama
Que não me consigo lembrar 

Do outro lado está a padeira
Com a pá derradeira
Da vitória gloriosa 

Depois vem o Luís
Que perdeu o olho por um triz
Nalguma guerra caprichosa

Está também o pessoa
O Alegre e, na Madragoa
Mais uns quantos dois ou três 

Vem Sancho e o filho
Vem Pedro a seguir o trilho
Da busca por Inês 

Com os primos pela mão
Vem Lúcia, buscando em vão
Paz para esta terra 

Atrás vem o povo a marchar
Com vontade de lutar
Na próxima Grande Guerra 

Antero e João Leitão
Escrevem nas pedras do chão
A sina deste país 

Enquanto mestre Gil sem se calar
Continua a criar
Mais teatros de raiz 

O marquês traz a saudade
De criar com liberdade
Uma cidade diferente 

Enquanto Cabral festeja alegremente
Sentado em pau-brasil
Mais uma descoberta entre mil 

Ali chora uma menina
Ainda muito pequenina
Vitima da peste negra 

Os outros reis e rainhas
Que antes também ela tinha
Vêm mais à esquerda 

Vem Salazar a ordenar
Mais prisões para onde mandar
Este povo falador 

Vem Amália a cantar
O segredo de amar
E o seu grande dissabo

Vem uma mãe chorosa
Com medo que quem saia vitoriosa
Seja a outra tropa 

Aquele homem traz o tratado
Assinado pelo Estado
Sobre a união da Europa 

Vem o empresário falido
O filho perdido
E o agricultor roubado

Vem o politico corrupto
O nobre exilado
E o povo abandonado

E vem a conclusão
Que desta desilusão
Há em todo o lado

Já não há mais para investir
Nem ouro para descobrir
Mas ainda nada está acabado

13-480x450 

A Ti

A sala vazia
Do teu olhar
O suspiro só
Do despertar

A noite fria,
A escuridão
O som que fazia
A solidão

O som do vento
O horizonte
O cume alto
Daquele monte

O frio do inverno
Na tua mão
E o calor do pico
Do Verão 

O dourado seco
Da seara
O verde fresco
Da floresta clara

O azul abandonado
Do céu cinzento
O mar salgado
E violento 

As lágrimas, o riso
E a cobrança
As cores sujas
De uma lembrança

A falta que sinto
De ti
E a esperança
De te ver aqui

13-480x450

Pai Nosso

“Pai Nosso que estais no céu”
Nunca foi essa minha prece
Oração que alivia, que acalma
Só pertence a quem a tece 

E eu escrevo como quem reza
Terço a terço cadernos e blocos 

Pai Nosso, Nossa Chama
Sabedoria Plena e Soberana
És Tu a luz que nos guia e conforta
És Tu a cruz que nos ensina e transporta
Para o bem 

Pai Nosso, Guida da alma
Permiti que nunca perca a calma
O rumo, o sentido, a direcção
Permiti que nunca seja indiferente
A um pedido do coração 

Com tanta igreja à escolha e não tenho nenhuma
Deus é único e a sua fé é só uma
Crer nele é crer no amor
Deus é Luz e não medo e terror

Permiti que nunca esqueça essa verdade
Que nunca perca essa liberdade
De escolher

13-480x450
Medo 

Medo de não conseguir
Medo de seguir em frente
Medo de sentir
Aquilo que se sente 

Medo de querer
Medo de não ser ninguém
Medo de parecer
Que se é alguém 

Medo de existir
De estar aqui ou ali
Medo do risco
De ficar sem ti 

Medo do mundo
Medo de sonhar
E um medo profundo
De acordar 

Medo do que se é
E de o deixar de ser
Medo de ter fé
E medo de não ter

Medo de sofrer
Medo que o medo cause sofrimento
Medo de viver
Um sentimento 

Medo de ter saída
Medo de ter sorte
Se ninguém escolhe a vida
Porque se há-de escolher a morte?

2 comments

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s