Dez livros de poesia que vale a pena conhecer

Estranhezas
Maria Teresa Horta

Livro Físico

Sem iludir (como nos demais livros não-temáticos) uma unidade essencial, Estranhezas desdobra-se por sete capítulos que não encobrem uma continuidade quase vital: No EspelhoPaixãoDa BelezaAlteridadesTumultoFerocidades e À Beira do Abismo. É que se o eu horteano está bem patente no primeiro, segundo e último capítulo, os outros e outras de «Alteridades», «Tumulto» e «Ferocidades» são magníficos desenhos traçados pela mesma mão que escreveu os primeiros.

Poemas de Deus e do Diabo
José Régio

Livro Físico

Poemas de Deus e do Diabo (primeiro livro de José Régio, onde podemos encontrar o famoso Cântico Negro), é um dos livros mais marcantes da Literatura Portuguesa, sendo mesmo considerado um clássico. Nesta estreia se anunciava um Autor que marcaria literariamente todo o Século XX português, com projeção para o Século XXI. Para além de ser um extraordinário livro de Poesia, Poemas de Deus e do Diabo é também um programa de vida e uma afirmação estética. Esta edição inclui 8 desenhos do Autor, bem como o importantíssimo posfácio Introdução a uma Obra. Esta edição está de acordo com a última versão revista em vida por José Régio.

Folhas Caídas
Almeida Garrett

Livro Físico

Uma obra poética da maturidade literária dum escritor e do ocaso de um apaixonado, nem por isso menos veemente e menos verdadeira.

Poemas Escolhidos
António Gedeão

Livro Físico

António Gedeão foi um dos mais importantes poetas portugueses do século XX. Aliou a tradição lírica portuguesa – onde muito se alistou – com um olhar científico e social da poesia que o fez crescer para se tornar um dos mais consensuais poetas, não só nos meios literários como na sociedade em geral. Lágrima de PretaImpressão Digital ou Pedro Filosofal são quase hinos que todos conhecemos desde crianças. A importância desta antologia é enorme. Os poemas aqui reproduzidos foram pelo autor escolhidos, a partir de um trabalho de uma vida, pouco antes da sua morte. Tem, por isso, aquilo que António Gedeão considerava de fundamental para qualquer leitor entrar na sua poesia: não só os hinos citados, mas outros que todos deveremos descobrir.


António Nobre

Livro Físico

De tristeza não se reveste apenas o , mas também de memórias de uma infância feliz no Norte provinciano e popular: os pescadores, os pregões e a praia de Leça; as romarias, as procissões, os sinos da igreja e os aldeões do Seixo…

Poesia do Eu
Fernando Pessoa

Livro Físico

Designar como «essencial» esta colectânea de obras pessoanas pode parecer, à primeira vista, um abuso, já que não se trata de um único volume, nem mesmo de três volumes, mas sim de sete. Acontece que a multifacetada obra de Pessoa — escrita sob mais de 70 nomes e em três línguas, abrangendo um apreciável número de géneros, estilos e temas — não tem uma essência una e linear. Ramifica-se ou, como diria o poeta de muitos rostos, pluraliza-se. Se, por «essencial», queremos dizer «indispensável», então os três volumes consagrados à poesia correspondem a esse conceito. Eles contêm toda a grande poesia de Pessoa, quer ortónima (assinada por si próprio) quer heterónima (assinada por «outros eus»), em português e em inglês, bem como os melhores exemplos dos seus versos em francês. A palavra «essencial» assume um significado diferente quando aplicada aos quatro volumes que dedicamos à prosa. Nesta parte da obra pessoana, há certas áreas — ficção, teatro, crítica literária, textos filosóficos, escritos sobre o Neopaganismo e as tradições esotéricas, bem como outras — que são pouco visíveis na presente edição. Recorde-se que os mais de 25 000 papéis originais deixados por Pessoa correspondem, na sua maioria, a textos em prosa, muitos dos quais, pelos assuntos abordados e o seu carácter frequentemente lacunar e inacabado, têm reduzido interesse para o grande público a que esta edição se destina. Além disso, ainda será necessário um apurado trabalho de investigação e transcrição para que algumas vertentes da prosa pessoana possam ser publicadas com o devido rigor. Os textos de prosa aqui reunidos, ainda que não sejam representativos da totalidade existente, pretendem ser, mesmo assim, «essenciais» num certo sentido, na medida em que tocam muito de perto o seu autor — ou porque gostou suficientemente deles para os acabar e publicar (Prosa Publicada em Vida — um volume que abrange, aliás, numerosas facetas da sua obra em prosa), ou porque o revelam na sua intimidade (Prosas Íntimas e de Autoconhecimento) e na sua relação com os outros (Cartas). O primeiro volume, o Livro do Desassossego, que em boa verdade poderia ser considerado poesia, mostra Fernando Pessoa na sua faceta mais íntima e também mais universal, na sua verdadeira essência e na sua dispersão não menos verdadeira. É o não-livro do não-ser, que existiu como ninguém. A presente Obra, com todos os seus limites, procura demonstrar a essencialidade de Fernando Pessoa não só para a literatura do século XX, mas também para a nossa cultura, actual e futura.

Poemas Canhotos
Herberto Helder

Livro Físico

«Poemas Canhotos» é o último livro de poesia de Herberto Helder, que o terminou pouco antes de falecer. Esta edição inclui uma bibliografia completa do autor, cuidadosamente preparada por Luis Manuel Gaspar.

Antologia Dialogante de Poesia Portuguesa
Organizador: Rosa Maria Martelo

Livro Físico

Podemos pensar a história da poesia como um extenso diálogo? Podemos entender a experiência de leitura como um vínculo intersubjectivo, uma forma mediada de amizade? E poderemos entender a escrita como uma prática emergente desse tipo de leitura? Esta antologia reúne poemas que mantêm entre si vários tipos de diálogos, e pretende seguir os fios que ligam certos poemas a outros que os precederam e que neles são retomados, celebrados, interrogados ou mesmo “emendados”. Trata-se menos de estabelecer diálogos entre textos do que de pôr em evidência vínculos já existentes, porquanto os textos mais actuais não teriam existido, pelo menos da mesma forma, sem aqueles que os precederam e com os quais se relacionam. O que se pretende organizar é um livro de diálogos entre diferentes autores, e acima de tudo entre diferentes poemas, umas vezes escritos à distância de poucos meses, outras vezes separados por séculos.

Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica
Natália Correia

Livro Físico

Depois de ver sucessivos livros seus apreendidos pela Censura do Estado Novo, Natália Correia aceitou o convite do visionário editor da Afrodite, Fernando Ribeiro de Mello, para organizar esta Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica. «Finalmente num único livro», prometia a cinta que acompanhava o volume, publicado em dezembro de 1965, «a poesia maldita dos nossos poetas», «as cantigas medievais em linguagem atualizada», «dezenas de inéditos» e «a revelação do erotismo de Fernando Pessoa». A obra causou escândalo e foi apreendida pela PIDE, com vários dos intervenientes julgados e condenados em Tribunal Plenário, num processo que se arrastou durante anos. É agora republicada pela primeira vez com as ilustrações originais de Cruzeiro Seixas, incluindo também novos textos introdutórios e reproduções de documentos que contextualizam um marco histórico na edição em Portugal.

Poesia, Saudade da Prosa
Uma antologia pessoal
Manuel António Pina

Livro Físico

[…] A vida, a morte, os livros, tumulto, recato, ironias, metafísica, o peso das coisas transformado em palavras, uma espécie de sageza. “a memória, sem o corpo, não cintila nem exalta / e, em ela, o corpo é incapaz de nudez / e de amor”. Uma obra belíssima. (José Mário Silva, LER 104)

[Sinopse de wook.pt]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s