Livros que não saem das minhas estantes [Top 10]

Quem segue o blog sabe que eu dou muitos livros (podem ver aqui um Book Unhaul por exemplo) e que não costumo ter problemas em emprestar livros. Ainda assim, como qualquer leitor, tenho algumas obras que não saem das minhas estantes por nada, nem sequer para emprestar aos mais chegados. É desses livros especiais que vou falar hoje!

Querem ver quais são? Ora então…

Para Onde Vão os Guarda-Chuvas – Afonso Cruz

Wook.pt - Para Onde Vão os Guarda-Chuvas

Quando o comecei a ler não sabia o que esperar. Foi um daqueles livros impostos por uma professora o que só por si nos deixa logo meio desanimados e sem vontade de lhe pegar. Agora, é de longe um dos meus livros preferidos de sempre. Em Para onde vão os guarda-chuvas Afonso Cruz conseguiu criar uma fábula actual, onde a prosa têm poesia e, directamente ou não, se discutem os temas mais perigosos dos dias de hoje. Costuma-se dizer que não existe romance que não fale de amor, morte ou religião. Este romance tem os três e não peca em nenhum. As personagens são tão caricatas que podiam ser reais. O mudo Badini, profundamente sábio mas que não se pode exprimir por palavras. Fazal, o pai que queria ser invisível e o seu filho, Salim, a criança que queria voar como os aviões. E a Morte, que fala com o leitor como uma velha amiga. É um livro incrível por nos fazer olhar para o mundo que nos rodeia pelo olhar destas personagens que, apesar da morte, da guerra e da perda que passam têm o olhar cheio de magia e esperança. A brutalidade está em saber que a mensagem é real. Lê-se de uma assentada. O fim é algo difícil de ultrapassar, dá vontade de intervir na história, de mudar aquelas últimas páginas.

O Meu Pé de Laranja Lima – José Mauro de Vasconcelos

Wook.pt - O Meu Pé de Laranja Lima

Pois é, cada vez que digo a alguém que o meu livro preferido de sempre é este a pessoa olha para mim com uma cara muito desapontada e pergunta “aaah, aquele da telenovela?” Siiim, aquele da telenovela. Conhecem a máxima que diz “o livro é sempre melhor do que o filme”? Neste caso a telenovela nem dá para comparar com o livro! A telenovela é só meio tosca. O livro é completamente arrasador, de fazer chorar as pedras da calçada. Da primeira vez que li este livro chorei apenas na parte triste. Da segunda, passei por acaso os olhos na dedicatória do livro que me tinha escapado na primeira vez e apercebi-me – espantada! – que este livro é uma história real!! Verídica!! Desatei a chorar logo aí e já nem li mais nada. Nas vezes seguintes (sim, porque eu sou uma pessoa que quando gosta mesmo relê muito!) chorei baba e ranho como uma Maria Madalena arrependida do inicio ao fim. Simplesmente não dá para evitar. E não, eu não costumo chorar com livros. Esta é a história de Zezé, ou José Mauro, o autor do livro. É a história da sua infância no seio da sua família brasileira extremamente pobre, de como cresceu rodeado de pancada e miséria e da forma como ele tenta fugir a isso, usando a sua imaginação de criança. É a história do Portuga, um velho português que encontra aquela criança maltrapilha e travessa no meio da rua e, em vez de o enxotar para longe, o chama para perto. E, depois, é a história da morte. Um livro capaz de nos fazer afogar em lágrimas, escrito em brasileiro puro, a arrebatar de sentimentos em cada página. Livro muito recomendado!

Fabulosos Mitos e Lendas de Todo o Mundo

Wook.pt - Fabulosos Mitos e Lendas de Todo o Mundo

Tal como o titulo diz, este livro conta-nos mitos e lendas de todo o mundo, dividindo-os por temáticas como por exemplo mitos sobre a criação do mundo ou sobre amores impossíveis. Eu sou fã de mitologia e este é sem duvida um dos livros mais completos e bonitos que já encontrei sobre o tema. 5*

Contos – Miguel Torga

Wook.pt - Contos

Miguel Torga é um dos meus autores preferidos, se não for mesmo o preferido. Este livro reúne todos os contos dele, divididos por livros. Admito que ainda não li todos, mas por um bom motivo: estou a poupá-los. Gosto da ideia de ainda ter algo para ler deste autor, por isso leio só muito de vez em quando. Gosto tanto, que não quero ficar sem “novos” para ler. Algum dia vou ter de terminar, mas não precisa de ser já. A escrita de Torga é poética, apaixonada, e fala de pessoas e realidades que me dizem muito. Inspirador.

Cem Anos de Solidão – Gabriel García Márquez

Wook.pt - Cem Anos de Solidão

Em Cem Anos de Solidão conhecemos a história da família Buendía, desde o seu patrono José Arcádio ao último dos Buendía, Aureliano e a sua complexa árvore genealógica. Eu adorei sinceramente esta obra. A escrita é fantástica, a história é belíssima e complexa e com enormes toques do realismo mágico que tanto caracterizam o Gabo e que eu adoro, as personagens são encantadores e muito realistas à sua própria maneira. Foi um livro que me agarrou do inicio ao fim e que eu tive imensa pena de terminar, principalmente pela forma como terminou. Mas acho que não poderia ser diferente… Eu amei cada página, cada personagem, cada uma das suas histórias individuais. Livro muito recomendado!

O Monte dos Vendavais – Emily Brontë

Wook.pt - O Monte dos Vendavais

Em O Monte dos Vendavais conhecemos a história de Heathcliff e Catherine e das suas famílias. Encontrado abandonado pelo pai de Catherine quando ainda era uma criança Heathcliff é levado para a casa da família e lá é criado, mas nunca chega a ser tratado realmente como um dos seus membros. Ostracizado por Hindley, irmão de Catherine, tratado muitas vezes como um empregado, o verdadeiro pesadelo de Heathcliff começa quando a família de Catherine conhece a família de Linton, que logo se apaixona por ela. Eu já tinha lido várias opiniões sobre este livro e, por isso, não posso dizer que não conhecesse a história. Ainda assim, fiquei imensamente surpreendida. Sabia que ia ser um livro um tanto ou quanto mórbido, com uma história dramática e fora do comum. Mas superou em muito todas as minhas expectativas. Se no início me senti tentada a simpatizar com Heathcliff, a verdade é que a partir de determinado momento ele se transformou numa das personagens literárias mais odiosas que já conheci. Se teve razões para se tornar numa pessoa amarga e vingativa? Sim. Mas podia perfeitamente não o ter feito. E a falta de escrúpulos que ele alcança foi algo que me impressionou bastante. Muito se fala, quando se fala nesta obra, do momento em que ele pede ao coveiro para partir um dos lados do caixão de Catherine e um dos lados do seu, quando ele morrer, para poderem ficar lado a lado. Soa horrível mas a verdade é que para mim isso esteve muito longe de ser a pior coisa que ele fez. Não posso dizer que não tenha gostado desta leitura. Adorei, para dizer a verdade. A história é inebriante, a leitura é corrida, as sensações que nos dá são intensas. Mas percebo perfeitamente que esta não é uma obra capaz de agradar a qualquer pessoa. É uma obra pesada, quase surreal. Não existe mundo nesta história além daquele que esta dentro de uma daquelas duas casas, ou no caminho entre elas. Não existe uma normalidade e há coisas que nunca chegamos a saber. Afinal, como foi que Heathcliff enriqueceu? Por onde andou? Tentei criar empatia com Heathcliff, tentei compreender a primeira Catherine e, mais tarde, fiz as mesmas tentativas com as personagens que os seguem. De pouco adiantou. Heathcliff transformou-se oficialmente na personagem literária que eu mais detesto, se é que podemos detestar assim alguém que não existe realmente. E, apesar de tudo isto, este transformou-se estranhamente num dos meus livros preferidos. Tenho para mim que não é qualquer livro que nos causa sensações tão intensas. Livro recomendado!

O Ministério da Felicidade Suprema – Arundhati Roy

Wook.pt - O Ministério da Felicidade Suprema

Neste livro conhecemos primeiro Anjum, uma hijra com o sonho de ser mãe, que a vida muito maltrata. Depois, os outros: Zainab, a pequena ratola, Saddam, Tilo e os três homens que a amam… Conhecemos as suas histórias individuais, as suas dores, os seus problemas, a sua coragem. E no meio de todas essas histórias vamos conhecendo também a história da guerra, o defender das causas, os crimes, as mortes e as violações… Arundhati Roy tem o dom de dar um toque de magia e misticismo às suas personagens, sem as tornar menos reais por isso. A prosa tem um toque de poesia, como tantas vezes digo neste blog quando os livros estão realmente bem escritos. E, mais que tudo, ela consegue dizer as verdades mais incómodas, falar das realidades mais duras. Não diz meias verdades nem as mascara com ilusões. Uma outra coisa que esta autora faz maravilhosamente são as descrições. Dos momentos, dos lugares, da personalidade de cada personagem. Quase podemos sentir que estamos lá apesar de, para nós, todos estes cenários serem algo muito distante. Este é um livro duro, com uma história dura e difícil de ler. E real, porque a guerra é real. Mesmo assim é um livro bonito, cheio de personagens corajosas e meio exóticas. A mim, parece-me que Anjum vai ser uma daquelas personagens que, como Estha e Rael do Deus das Pequenas Coisas, me vai ficar sempre na memória. Livro recomendado!

Folhas Caídas e Flores sem Fruto
Almeida Garret

Wook.pt - Folhas Caídas e Flores Sem Fruto

Há por aí umas más línguas que dizem que já ninguém lê poesia. Pois enganam-se. Alguns leitores mais estranhos, como eu, ainda pegam neste género literário tão dado ao esquecimento. Eu leio poesia como quem come chocolates, são uns atrás dos outros, sem olhar a gostos ou ingredientes. Este livro foi-me apresentado por uma muito sábia professora de literatura portuguesa, tão devoradora de poesia e livros como eu. A determinada altura cheguei ao ponto de saber vários dos poemas deste senhor de cor, de tanto que os lia. Tudo bem que é romantismo, não é para todos os gostos. Mas vale sempre a pena experimentar.

Monstros Fabulosos – Alberto Manguel

Wook.pt - Monstros Fabulosos

Em Monstros Fabulosos: Drácula, Alice, Super-Homem e outros amigos literários Alberto Manguel reapresenta-nos mais de 30 personagens literárias que todos conhecemos e que são, segundo parece, as suas preferidas. E fala delas, analisa-as e às suas vidas, explora as relações delas com os leitores. Este livro é uma obra fantástica sobre grandes personagens mas é também uma bonita reflexão sobre a condição humana. Ao falar deles, Alberto Manguel fala de nós. É um livro sobre leituras, literaturas e… a própria vida. Cada leitura é única, como cada personagem, como cada leitor e momento. A escrita de Manguel é erudita e original, mas é ao mesmo tempo fácil de ler, divertida e muito saborosa. Este foi um livro que me deliciou do início ao fim, uma obra terna que me levou a revisitar histórias que não revisitava há muito. Instrutiva, mas sem se tornar pesada. Tocante, mas não em demasia. Que nos põe a pensar no futuro e em nós, ao mesmo tempo que nos leva para visitar velhos amigos de papel e tinta. Muito recomendado! 5*

Lolita – Vladimir Nabokov

Wook.pt - Lolita

Um leitor mais desavisado que abra este livro e leia este primeiro parágrafo, pode cair na tentação de pensar que esta é uma história de amor. Mas não, caros leitores, esta não é uma história de amor. Esta é uma história de perversidade, de completa e absurda perversidade. É uma história de doença, de pedofilia, de morte e do pior que há na sociedade. Lolita é um livro muito pesado e duro, escrito de uma forma genial. Vemos toda esta sordidez pelos olhos do próprio pedófilo, Humbert Humbert (não, não era mesmo o nome dele), a personagem principal no seu próprio livro. Mas esta personagem, este pedófilo, era um professor de literatura com um dom muito peculiar para contar histórias e inverter situações. Isso torna a leitura deste livro algo quase caricato. Porque, na realidade, o leitor sabe perfeitamente o que se está ali a passar. Reconhece o crime, a violação, a sujidade. Quer vingança. Quer tirar a miúda das mãos daquele monstro. Mas a escrita dele não é a escrita de um monstro, é a escrita de um homem apaixonado. Não fosse Lolita ser uma criança e esta quase poderia mesmo ser uma história de amor. É, realmente, um livro difícil de ler. É um livro que mexe com a nossa mente, que mexe com as nossas emoções e sentimentos. Aqui, a grande questão é se o leitor tem capacidade de discernir a situação de abuso ou se vai cair na bela conversa de Humbert e acreditar que isto é uma história romântica. Livro muito recomendado, para ser lido com um estômago forte. Não é para qualquer um, mas as questões que levanta valem a pena!

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s