As Bibliotecas – Maria Teresa Horta [Poema da Semana]

Resultado de imagem para maria teresa horta

Amo as bibliotecas
como sendo um roseiral
de rosas entreabertas

devoro o cheiro do perfume
dos seus estreitos corredores
onde se encobrem os lumes
e as penumbras incertas

tomo o gosto ao seu ardor
de amores proibidos
entre as folhas dos romances
onde as flores se enfebrecem

Amo as bibliotecas
onde as palavras se tecem
no seu fulgor obscuro

passo as mãos nas prateleiras
toco no corpo dos livros
sinto nos dedos as histórias
e a loucura dos sentidos

beijo os versos restolhando
nos poemas incontidos
odes de insubmissão
sonetos de tempo ardido

Amo as bibliotecas
contendo cerne e invento
e a memória dos séculos

vou até ao seu silêncio
de elixires e venenos encobertos
prelúdios de Alexandria
na haste do pensamento

e quando me sento a ler
é como se já voasse
em motim e transgressão
e em mim nada faltasse

Amo as bibliotecas
numa pressa insaciável
das suas Luzes despertas

das eternidades, das vidas
e das mentes inquietas
melancolia traçada pelas canetas
e as penas dos poetas

lugares de absoluto
onde procuro e me perco
de harmonia e desatino
no nosso tempo encoberto

Amo as bibliotecas
com paixão e desatino
podendo morrer de amor
por dentro do seu destino

Maria Teresa Horta
in Estranhezas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s