Leituras à Volta do Mundo: Moçambique

Hoje em Leituras à Volta do Mundo vamos viajar até Moçambique. Porquê este país? Porque temos muitos – e bons – exemplos de autores de lá. “Bora”?

 

Mia Couto

transferir.jpg

Mia Couto, pseudónimo de de António Emílio Leite Couto nasceu a 5 de Julho de 1955 em Beira, Moçambique. É biólogo e escritor. Ganhou já o  Prémio Neustadt, tido como o “Nobel Americano”, o Prémio Nacional de Ficção da Associação dos Escritores Moçambicanos, o Prémio Vergílio Ferreira, pelo conjunto da sua obra e em 2013 o Prémio Camões, entre vários outros. Entre as suas obras mais conhecidas temos A Confissão da Leoa, Jerusalém, Terra Sonâmbula, Um Rio Chamado Tempo, Uma Casa Chamada Terra, Pensageiro Frequente, entre outros. Contas ainda com vários títulos infanto-juvenis.

*******

José Craveirinha

Wook.pt - José Craveirinha

José João Craveirinha nasceu em Lourenço Marques em Maio de 1922. Vencedor do Prémio Camões em 1991, é por muitos considerado um dos maiores poetas daquele país, mas nem só sobre a poesia corre a caneta deste autor. Dele temos livros como Maria e Hamina e Outros Contos.

Um homem nunca chora

Acreditava naquela história
do homem que nunca chora.

Eu julgava-me um homem.

Na adolescência
meus filmes de aventuras
punham-me muito longe de ser cobarde
na arrogante criancice do herói de ferro.

Agora tremo.
E agora choro.

Como um homem treme.
Como chora um homem!

José Craveirinha

*******

Paulina Chiziane

Paulina Chiziane nasceu em Manjacaze em 1955. A sua escrita é repleta de tradição e sabedoria, tem o cheiro da terra molhada e o tom do amor e do sexo. São histórias terra-a-terra de uma autora um pouco menos conhecida que os anteriores mas que merece sem dúvida uma oportunidade.

*******

Noémia de Sousa

Nascida em 1926 Carolina Noémia Abranches de Sousa Soares foi uma poetisa, tradutora, jornalista e militante política moçambicana.

Súplica

Tirem-nos tudo,
mas deixem-nos a música!

Tirem-nos a terra em que nascemos,
onde crescemos
e onde descobrimos pela primeira vez
que o mundo é assim:
um labirinto de xadrez…

Tirem-nos a luz do sol que nos aquece,
a tua lírica de xingombela
nas noites mulatas
da selva moçambicana
(essa lua que nos semeou no coração
a poesia que encontramos na vida)
tirem-nos a palhota  ̶  humilde cubata
onde vivemos e amamos,
tirem-nos a machamba que nos dá o pão,
tirem-nos o calor de lume
(que nos é quase tudo)
̶  mas não nos tirem a música!

Podem desterrar-nos,
levar-nos
para longes terras,
vender-nos como mercadoria,
acorrentar-nos
à terra, do sol à lua e da lua ao sol,
mas seremos sempre livres
se nos deixarem a música!
Que onde estiver nossa canção
mesmo escravos, senhores seremos;
e mesmo mortos, viveremos.
E no nosso lamento escravo
estará a terra onde nascemos,
a luz do nosso sol,
a lua dos xingombelas,
o calor do lume,
a palhota onde vivemos,
a machamba que nos dá o pão!

E tudo será novamente  nosso,
ainda que cadeias nos pés
e azorrague no dorso…
E o nosso queixume
será uma libertação
derramada em nosso canto!
̶  Por isso pedimos,
de joelhos pedimos:
Tirem-nos tudo…
mas não nos tirem a vida,
não nos levem a música!

Noémia de Sousa

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s