Projecto BiblioSol: Para Ler o que Mais Ninguém Tem

Resultado de imagem para biblioteca privada

Os criadores deste projecto, que está agora para votação no Orçamento Participativo de Portugal, são Renato Soeiro e César Silva. O projecto chama-se BiblioSol – Rede Cooperativa de Leitores e propõe que as Bibliotecas Privadas sejam, pasmem-se, abertas ao público.

Se a si lhe soa estranho ter um desconhecido a entrar pela casa dentro para mexer num dos seus livros pode ter a certeza, vai soar assim a muitos de nós. Mas o projecto tem fundamento e se pensarmos bem, faz muito sentido.

Primeiro, é uma forma de dar vida aos livros que cada um de nós tem na estante, a ganhar pó. Assim os nossos livros podem ser úteis também aos outros, a alguém além de nós e do nosso circulo pessoal. É um bom ponto de partida, não acha? Mas não acaba por aqui.

Já lhe aconteceu querer muito ler um livro ou precisar mesmo de o consultar mas ele não existir em lado nenhum? Esgotado para venda, desaparecido na biblioteca, nem sequer no alfarrabista… Pois aqui pode encontrá-lo e lê-lo, quem sabe, através da biblioteca do seu vizinho. Ele se calhar até gosta de lho emprestar. Você lê, ele partilha e quem sabe se não faz um amigo!

Por último mas não menos importante, as bibliotecas perdidas. Vejo muito, enquanto bibliotecária, colecções inteiras que pessoas fizeram ao longo de toda a vida serem “esfarrapadas” quando morrem. Alguns livros são vendidos, outros doados, outros vão simplesmente para o lixo. Muitos, mesmo muitos, vão simplesmente para o lixo. Quem sabe o que se perde com isso? Pois com o BiblioSol, uma biblioteca registada no sistema pode ir parar às mãos de alguém que realmente se interesse por ela. E, com um pouco de sorte, continuar aberta ao público.

O investimento que o projecto precisa é para criar um site que leve ao encontro de bibliotecas privadas e possiveis leitores e para catalogar essas mesmas bibliotecas.

Um novo tipo de Bibliotecas, um novo género de bibliotecários, e muito, muito mais conhecimento disponível à comunidade. Ora digam lá que não é uma óptima ideia!!

Para votarem neste projecto (até 30 de Setembro) podem aceder aqui.