O Perfume – Patrick Suskind

“As ruas tresandavam a lixo, os saguões tresandavam a urina, as escadas das casas tresandavam a madeira bolorenta e a caganitas de rato e as cozinhas a couve podre e a gordura de carneiro; as divisões mal arejadas tresandavam a mofo, os quartos de dormir tresandavam a reposteiros gordurosos, a colchas bafientas e ao cheiro acre dos bacios. As chaminés cuspiam fedor a enxofre, as fábricas de curtumes cuspiam o fedor dos seus banhos corrosivos e os matadouros o fedor a sangue coalhado. As pessoas tresandavam a suor e a roupa por lavar; as bocas tresandavam a dentes podres, os estômagos tresandavam a cebola e os corpos, ao perderem a juventude, tresandavam a queijo rançoso, leite azedo e tumores em evolução. Os rios tresandavam, as praças tresandavam, as igrejas tresandavam e o mesmo acontecia debaixo das pontes e nos palácios. O camponês cheirava tão mal como o padre, o operário como a mulher do mestre artesão, a nobreza tresandava em todas as suas camadas, o próprio rei cheirava tão mal como um animal selvagem e a rainha como uma cabra velha, quer de Verão quer de Inverno.”

Jean-Baptiste Grenouille nasce no séc. XVIII, numa época em que tudo cheirava mal: as pessoas, as ruas, as cidades…

No entanto, Jean-Baptiste nasce sem cheiro e com um dom inato para a arte dos cheiros. Em criança, os outros temiam-no: não conseguiam cheirá-lo. Em adulto, Jean-Baptiste transformou-se num perfumista.

Mas Jean-Baptiste tem um sonho: conseguir produzir o perfume supremo, o melhor de todos os perfumes, o único.  Não importa o que tenha de fazer para tê-lo, ele vai tê-lo.

É então que Jean-Baptiste começa com os seus hediondos crimes. Afinal, como obter o melhor perfume? De onde vem a melhor de todas as essências? Do corpo das mulheres.

Este livro é de 1985. O filme de 2006. No entanto é uma história que nunca passa.

Jean-Baptiste é uma personagem peculiar, arrepiante, capaz de tudo. A leitura é fácil e realista, quase conseguimos sentir os cheiros que o livro nos traz. E o livro é bem cheio de cheiros!

Da primeira à última página, da primeira à última palavra, há cheiros por todo o lado.

Este não é um livro de terror ou de suspense ou mesmo um policial no sentido em que conhecemos hoje estes termos. Mas é um livro arrepiante, uma história inesperada e interessante do inicio ao fim. Alguns, poucos, defendem que Jean-Baptiste foi uma pessoa real, cujos registos se perderam há muito. Se o foi ou não não sei. Mas mesmo sendo apenas a personagem fictícia, consegue deixar-nos com os cabelos da nuca em pé.

A apontar apenas o final da história, que para mim ficou a faltar alguma coisa. Mesmo assim, este é um daqueles livros que não sai da minha biblioteca!

Livro muito recomendado!

Livro na Wook

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s